PROPAGANDA

Adrilles Jorge comentou o mais recente ataque do Estado Islâmico a cristãos na África e apontou o globalismo como raiz da fraqueza cultural e social do Ocidente perante adversários que visam subjugar toda a civilização.

PROPAGANDA
PROPAGANDA
PROPAGANDA

O comentário a seguir foi feito no programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan, que recuperou dados da Missão Portas Abertas sobre perseguição religiosa a cristãos ao redor do mundo, com 4.305 mortes apenas em 2019.

O jornalista e escritor declarou que há interesses escusos que mantém a cristofobia à sombra do debate popular: “Isso é grave. A quem interessa o escamoteamento desse tipo de notícia? A gente percebe exatamente o princípio daquilo que se chama globalismo, essa complacência a várias culturas étnicas. […] A multiplicidade cultural tem limites. Você não pode abraçar e ser complacente a quem o esmaga”.

Ele também esclareceu um ponto da fé bíblica amplamente distorcido pela mídia: “Dar a outra face, que é um princípio cristão, não é exatamente deixar o outro te assassinar. Exatamente dar a outra face do perdão quando você ensina o princípio de que aquela pessoa está equivocada e ela necessita de um perdão, uma redenção”.

“Se você for ensinar tolerância a um radical islâmico e dizer que Alá pode, eventualmente, não ter existido, ele vai te decapitar. E a quem interessa o escamoteamento desse tipo de perseguição que sofrem os cristãos?”, questionou, antes de exemplificar um caso recente: “A gente tem, aqui no Brasil, um caso um exemplo sintomático, o Porta dos Fundos, atacando o cristianismo como se fosse um poder opressor”.

“Olha só o que acontece ao redor do mundo: os oprimidos continuam a ser os cristãos. Isso há dois mil anos. Passou por Constantino, passou pela Idade Média […] É lógico que a Igreja Católica cometeu seus eventuais abusos, mas isso não justifica depreciar toda uma cultura cristã que é a base, o alicerce, do humanismo, da generosidade, dos direitos universais do homem. Tudo isso está arraigado no cristianismo”, contextualizou.

+ Globalismo permite abate de cristãos, mas será a ruína do Ocidente

“Esse pseudo progressismo moderno, que é complacente e se abre a quem o esmaga, tem um nome e um conceito: é o relativismo antropológico, que acha que todas as culturas têm seu valor e devem ser respeitadas como tais. Tudo bem […], desde que ajam como cultura, e não como barbárie. Você tem áreas no sul da Turquia, por exemplo, em que mulheres são obrigadas a se casarem com seu estuprador […] porque [o fato de terem sido violadas] é uma desonra para a família. Ora, esse princípio da inviolabilidade do corpo da mulher é um princípio ocidental, da liberdade, inclusive da propriedade – a primeira propriedade de uma pessoa é o corpo. Uma vez eu estava discutindo com uma antropóloga que justificava o assassinato de recém-nascidos na religião ianomâmi porque eles tinham síndrome de Down. […] A gente tem que enfrentar esse tipo de coisa. Esse relativismo cultural permite exatamente que cristãos sejam decapitados por radicais islâmicos porque eles não estão nem aí para esse relativismo: eles querem dominar o mundo pela espada de Alá, de Maomé, que seja. […] Esse diálogo tem que ser travado, porque algumas culturas se travestem de culturas mas na verdade são manifestações bárbaras, e nem toda cultura é legítima por si só e deve ser respeitada por si só. Aquela cultura que imprime a morte, que imprimi um princípio de superioridade e quer massacrar os demais, deve ser defenestrada. O cristianismo se colocou como auge do período histórico de todos os tempos, criou o humanismo, exatamente pelo princípio de tolerância. Agora, quando você subverte esse princípio de tolerância e tira a parte cristã, vira um humanismo pagão, pseudo progressista que é complacente às pessoas que querem assassinar não só as culturas, mas os povos representantes dessas culturas. É muito sintomático que esse tipo de notícia seja escamoteada, porque é como se fosse uma culpa, de parte da mídia e parte da inteliguência (sic) mundial e globalista que quer que essas coisas sejam escamoteadas em nome da construção de um mundo melhor. Ora, esse mundo melhor sendo governador por burocratas de poder, que acham que [sabem] como as pessoas devem pensar, ou se comportar, não vai dar certo nunca, exatamente porque há setores culturais radicais que querem esmagar quem não coaduna com eles”.

DEIXAR UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here